Perfil da Empresa

A KMM foi pioneira na introdução dos vinhos australianos no Brasil, com a chegada das primeiras caixas em 1992, passando ao público uma paixão pelos rótulos elaborados naquela distante terra e mantendo cuidado criterioso na seleção de lotes exclusivos. Tornou-se referência em vinhos australianos e, por isso, é reconhecida por todo o mercado brasileiro. Com o passar do tempo, agregou rótulos cuidadosamente garimpados de outros produtores do Novo Mundo, como África do Sul e Nova Zelândia.

KMM Vinhos Perfil da Empresa

E agora, uma pequena vinícola brasileira, reconhecida pelos vinhos de excepcional qualidade, reflexo puro do terroir, passa a incorporar este seleto grupo. Situada na região da Campanha Gaúcha, na fronteira com o Uruguai, a Cordilheira de Sant’Ana entra com seus vinhos complexamente desenhados para longevidade, satisfação e prazer. Nada mais justo que, finalmente, um produtor nacional do mesmo calibre faça o contrapeso no portfólio da KMM.

Nos últimos trinta anos, a Austrália tem conquistado cada vez mais destaque na elaboração de vinhos de qualidade e, acima de tudo, pela excelente relação custo-qualidade. Oitavo maior produtor mundial, sua indústria vinícola conta com aproximadamente 2.500 produtores. A venda de suas garrafas detém o primeiro lugar na Inglaterra, um dos mais exigentes consumidores de vinho do mundo, além de ser o segundo maior exportador para os Estados Unidos, atrás apenas dos italianos. A variedade Shiraz é imediatamente relacionada à Austrália devido à fantástica adaptação que teve naquele continente único. Além dos famosos blends de Shiraz e Cabernet Sauvignon, merecem distinção as cepas Merlot, Riesling, Chardonnay, Semillon e Viognier.

Showroom da KMM Vinhos
Showroom da KMM Vinhos

Os vinhos australianos são famosos pela exaltação à fruta, com aromas e níveis de acidez e álcool equilibrados, traduzindo-se em paladar frutado, boca redonda, macia e agradável. Outro fator a ressaltar é a constância mantida na qualidade do vinho entre um ano e outro. Diferente das européias, a alteração entre as safras australianas é mínima, devido às condições climáticas, modernos equipamentos e técnicas de vinificação, e à “mão” dos enólogos, conhecidos como “flying winemakers”, que se espalham pelo mundo inteiro durante a entressafra para difundir seus conhecimentos.